PARTE IX - OS CONCEITOS SEMITAS DE “PALAVRA” (MELTA, MEMRA E DAVAR) E A ELOHUT DO MASHIACH REVELADA PELOS TARGUMIM

21/08/2013 14:21

 

PARTE IX

OS CONCEITOS SEMITAS DE “PALAVRA” (MELTA, MEMRA E DAVAR) E A ELOHUT DO MASHIACH REVELADA PELOS TARGUMIM

 

Por Tsadok Ben Derech

 

 

A manifestação de YHWH na forma de Yeshua é bastante visível nas boas novas de Yochanan (João), caso seja compulsado o texto à luz das línguas semitas.

O que Yochanan queria dizer a seus compatriotas israelitas quando escreveu “no princípio era a Palavra, e a Palavra estava com Elohim, e a Palavra era Elohim”?

Tanto na Peshitta quanto no Siríaco Antigo foi usada a palavra “Melta” (מלתא):

Texto da Peshitta de Yochanan/João 1:1:

בּרִשִׁית אִיתַוהי הוָא מֵלתָא והוּ מֵלתָא אִיתַוהי הוָא לוָת אַלָהָא וַאלָהָא אִיתַוהי הוָא הוּ מֵלתָא

Tradução:

“No princípio era MELTA, e MELTA estava com Elohim, e MELTA era Elohim”.

 

De acordo com as lições dos aramaicistas Paul Younan e Andrew Gabriel Roth, o vocábulo “Melta” possui vários significados, e todos são possíveis de aplicação em Yochanan/João 1:1. “Melta” pode ser traduzido como “palavra”, “manifestação”, ou “substância(Aramaic English New Testament, 4ª edição, página 23, nota de rodapé nº 2).

Releia-se o texto com os três significados admissíveis:

“No princípio era A PALAVRA, e A PALAVRA estava com Elohim, e A PALAVRA era ELOHIM”.

“No princípio era A MANIFESTAÇÃO, e A MANIFESTAÇÃO estava com Elohim, e A MANIFESTAÇÃO era ELOHIM”.

“No princípio era A SUBSTÂNCIA, e A SUBSTÂNCIA estava com Elohim, e A SUBSTÂNCIA era ELOHIM”.

 

Ou seja, a Palavra (Yeshua) é a manifestação e a essência de YHWH:

Peshitta:

ומֵלתָא בֵּסרָא הוָא וַאגֵּן בַּן וַחזַין שׁוּבחֵה שׁוּבחָא אַיכ דִּיחִידָיָא דּמֵן אַבָא דַּמלֵא טַיבּוּתָא וקוּשׁתָּא

Tradução:

“E A PALAVRA (manifestação/essência) se fez carne e habitou entre nós, e vimos a sua glória, a glória do Unigênito (Único) que veio do Pai e que é pleno de graça e verdade.” (Yochanan/João 1:14).

 

No aramaico, “o Unigênito” (יחִידָיָא) é um termo poético que literalmente significa “o Único”, e serve para contrastar “o Elohim invisível do Elohim nascido” (Aramaic English New Testament, Andrew Gabriel Roth, Netzari Press, 4ª edição, página 232, nota de rodapé nº 232; e Lexicon to the Syriac New Testament, William Jennings, Oxford University Press, 1926, página 94).

Com este conceito em mente e recapitulando Yochanan 1:14, conclui-se que a Palavra é a manifestação/essência de YHWH, e por isto é chamada de “o Único” (Unigênito). E mais: “o Único” (Yeshua) possui “glória” e é “cheio de graça e verdade”, atributos estes que são exclusivos de YHWH:

“... YHWH é Elohim misericordioso e compassivo, lento para irar-se, cheio de graça e verdade.” (Shemot/Êxodo 34:6).

“... E a minha glória não darei a outrem.” (Yeshayahu/Isaías 48:11).

 

As Escrituras são claras e contundentes: 1) só YHWH possui glória e é cheio de graça e verdade; 2) Yeshua detém glória e é cheio de graça e verdade; 3) resultado: Yeshua é YHWH.

Em suma, ao se valer da palavra “Melta” (Jo 1:1 e 14), os leitores de Yochanan (João) entenderam perfeitamente que Yeshua é o ETERNO que havia se manifestado em carne, uma vez que o emissário (“apóstolo”) utilizou um linguajar de fácil compreensão para os israelitas do primeiro século.

Além de “Melta”, existe outro verbete aramaico de similar sentido: Memra. “Memra” (מימרא) é sinônimo do vocábulo hebraico “Davar” (דבר), ambos denotando “Palavra”, título constantemente usado por Yochanan (João) para designar Yeshua (ex: Jo 1:1-14).

Então, Yeshua é o “Memra” (“Palavra”), assim definido por David Stern:

“... um termo técnico e teológico usado pelos rabinos nos séculos antes e depois de Yeshua, quando tratavam da expressão de Deus a respeito de si mesmo.” (Comentário Judaico do Novo Testamento, ed. Atos, 2008, página 180).

 

Então, quando a B’rit Chadashá chama Yeshua de “Palavra” (Memra), está se referindo a “Deus a respeito de si mesmo”, isto é, Yeshua é uma emanação de Elohim.

Gershom Scholem define Memra como:

“uma força permanente, uma realidade no mundo da matéria ou da mente, um eminente aspecto de Deus que sustenta todas as coisas com sua onipresença.” (On the Mystical Shape of the Godhead: Basic Concepts in the Kaballah, páginas 181-182).

 

O vocábulo “Memra” também é corrente nos Targumim e, conforme a Jewish Encyclopedia, denota:

‘A Palavra’, no sentido da palavra criativa ou diretiva, ou da fala de Deus manifestando Seu poder no mundo da matéria ou da mente; um termo usado especialmente no Targum como um substituto para ‘o SENHOR’ [YHWH] quando uma expressão antropomórfica é evitada.

(...)

“No Targum, Memra figura constantemente como a manifestação do poder divino...” (Jewish Encyclopedia, verbete “Memra”).

 

Ou seja, em situações antropomórficas[1] descritas na Torá, o Targum usa “Memra” (“Palavra”) como sendo sinônimo de YHWH, substituindo o tetragrama por “Memra”.  Tendo em vista que a literatura targúmica está no mesmo contexto histórico e social dos escritos da B’rit Chadashá, entende-se que “Memra” foi um conceito com idêntico sentido em ambas as obras literárias. Conclusão: 1) Memra significa YHWH; 2) Yeshua é chamado de Memra; 3) consequentemente, Yeshua é YHWH.

Para os netsarim (nazarenos), esta conclusão era óbvia e evidente por si mesma. Substitua “Palavra” (Memra) por YHWH:

“No princípio era MEMRA [YHWH], e MEMRA [YHWH] estava com Elohim, e MEMRA [YHWH] era ELOHIM.

(...)

“E MEMRA [YHWH] se fez carne e habitou entre nós, e vimos a sua glória, a glória do Unigênito (Único) que veio do Pai e que é pleno de graça e verdade.” (Yochanan/João 1:1 e 14).

 

Agora, mister se faz analisar os manuscritos targúmicos, colimando-se melhor compreender “Memra” à luz da mentalidade israelita da época do Mashiach. Seguir-se-á, em grande parte, as lições[2] do rabino ortodoxo Tzvi Nassi (1800 a 1877 D.C), que reconheceu Yeshua como Mashiach, tendo lecionado na Universidade de Oxford.

A prova de que “Memra” (Palavra) é sinônimo de YHWH se extrai da comparação dos textos da Torá e do Targum Yerushalayim:

 

 

 

TORÁ

 

 

TARGUM YERUSHALAYIM

 

“Então, YHWH fez cair enxofre e fogo sobre S’dom [Sodoma] e Amorah [Gomorra] da parte de YHWH, desde o céu.”

(Bereshit/Gênesis 19:24).

“E a Palavra de YHWH fez cair enxofre e fogo sobre S’dom [Sodoma] e Amorah [Gomorra] da parte de YHWH, desde o céu.”

(Bereshit/Gênesis 19:24).

 

Lendo a Torá, verifica-se que YHWH fez cair fogo e enxofre “da parte YHWH”, ou seja, são mencionados 2 (dois) YHWH, porém, o ETERNO é um (echad), conforme a prescrição da própria Torá (Dt 6:4). Então, depreende-se que são duas manifestações distintas do mesmo YHWH.  No quadro acima, o Targum substituiu “YHWH” por “Palavra de YHWH”, demonstrando que “a Palavra” (Memra) é YHWH, e não outra pessoa.

Explica o Targum que a Palavra de YHWH é quem criou o homem e o mundo:

 

 

TORÁ

 

 

TARGUM YERUSHALAYIM

 

“Portanto, Elohim criou o  homem à sua imagem; à imagem de Elohim os criou; macho e fêmea os criou.”

(Bereshit/Gênesis 1:27).

 

 

 “E a Palavra de YHWH criou o homem à sua imagem; à imagem de YHWH.

YHWH criou; macho e fêmea os criou.”

(Bereshit/Gênesis 1:27).

 

Capta-se que a Palavra de YHWH é usada como sendo o próprio YHWH, o Criador de todas as coisas. Por tal razão, a “Palavra” não é a “emissão de um som” ou “um texto escrito”, mas sim uma pessoa, dotada de vontade e razão.

O Targum Yerushalayim também substitui “YHWH” por “Palavra de YHWH” para demonstrar que foi esta quem se revelou a Moshé (Moisés) no Sinai:

“E a Palavra de YHWH disse a Moshé: Eu sou Aquele que falou para o mundo: Exista! E ele existiu. E Aquele quem no futuro diz: Seja! E então será. E ele disse: Assim falarás aos filhos de Yisra’el, EHYEH [Eu Sou ou Eu Serei] enviou-me a vós.” (Targum Yerushalayim; Shemot/Êxodo 3:14).

 

No Targum Onkelos, Avraham (Abraão) creu na Palavra de YHWH:

E foi na Palavra de YHWH que Avraham creu, e isso lhe foi creditado como justiça.” (Targum Onkelos sobre Bereshit/Gênesis 15:6).

 

Além de crer, Avraham (Abraão) orava em nome da Palavra de YHWH:

“E Avraham orou em nome da Palavra de YHWH, e disse: Tu és YHWH que vês, mas que não pode ser visto...” (Targum Yerushalayim sobre Bereshit/Gênesis 22:14).

 

Infere-se que Avraham orava em “nome da Palavra”, e a B’rit Chadashá ensina orar “em nome de Yeshua” (Jo 15:16). Já que Yeshua é identificado como a Palavra (Jo 1:1 e 14), orar “em nome de Yeshua” equivale ao conceito semita de orar “em nome da Palavra”, e isto demonstra que os netsarim não escreveram nada de novo, mas se valeram de um conceito israelita já existente. Se não bastasse, o Targum citado explica que a Palavra de YHWH é YHWH em pessoa, que não pode ser visto. Então, fica claro que um “aspecto” do ETERNO é invisível aos homens, mas existe um outro “aspecto” que é visível, qual seja, o Mashiach: “Ele é a imagem visível do Elohim invisível” (Cl 1:15).

Enquanto a Torá afirma que o patriarca Ya’akov (Jacó) fez um voto com YHWH, o Targum ensina que Ya’akov firmou um voto com a Palavra de YHWH:

E Ya’akov fez um voto: Se a Palavra de YHWH me ajudar e me guardar na estrada pela qual eu viajo, dando-me pão para comer e roupas para vestir, para que eu volte para a casa de meu pai em paz, então a Palavra de YHWH será o meu Elohim.” (Targum Onkelos acerca de Bereshit/Gênesis 19:20-21).

 

Da mesma forma, segundo o relato do Targum Onkelos, David exortou o povo a depositar sua fé na Palavra de YHWH:

Confie na Palavra de YHWH em todos os tempos, ó povo da Casa de Yisra’el.” (Targum Onkelos de Tehilim/Salmos 62:9; versão cristã: Sl 62:8).

 

É da sabença de todos que a Torá foi entregue ao povo de Yisra’el por YHWH. Declara o Targum que o Legislador do Universo é a Palavra de YHWH, quem deu a Torá:

“E a Palavra de YHWH falou todas estas palavras gloriosas.” (Targum Yerushalayim de Shemot/Êxodo 20:1).

 

Moshé (Moisés) nunca adorou nenhum ser, exceto a Palavra de YHWH (Targum Yerushalayim de Bemidbar/Números 10:35-36).

Após o ETERNO retirar o povo do Egito, abrir e fechar o Mar Vermelho, consta da Torá que “o povo temeu a YHWH, e eles creram em YHWH e em Moshé, seu servo” (Shemot/Êxodo 14:31). Este texto é parafraseado por Onkelos da seguinte maneira:

E eles creram na Palavra de YHWH, e na profecia de Moshé, seu servo.” (Targum Onkelos acerca de Shemot/Êxodo 14:31).

 

Deve ser obedecida a Palavra de YHWH como sendo YHWH em pessoa:

E se ouvires a Palavra de YHWH, para guardar todos os mandamentos que eu hoje ordeno, YHWH te exaltará sobre todas as nações da terra. E todas estas bênçãos virão sobre ti e te alcançarão, quando ouvires a Palavra de YHWH teu Elohim.” (Targum Onkelos sobre Devarim/Deuteronômio 28:1-2).

 

A aliança firmada por YHWH com os patriarcas teve como mediadora a Palavra de YHWH:

“E disse Elohim a Noach [Noé]: Este é o sinal da aliança que tenho estabelecido entre Minha Palavra e entre toda a carne que está sobre a terra.” (Targum Onkelos de Bereshit/Gênesis 9:17).

E estabelecerei a minha aliança entre a Minha Palavra e ti e a tua descendência depois de ti em suas gerações, por aliança perpétua, para te ser a ti por Elohim, e à tua descendência depois de ti.” (Targum Onkelos de Bereshit/Gênesis 17:7).

 

A salvação do homem depende da Palavra de YHWH:

Pela Tua Palavra... pela tua salvação minha alma espera.” (Targum Yerushalayim de Bereshit/Gênesis 49:18).

“Yisra’el será salvo pela Palavra de YHWH com a salvação eterna. (...)

Pela Palavra de YHWH toda a semente de Yisra’el será justificada, e [pela Palavra de YHWH] eles encontrarão glória.” (Targum Yonatan de Yeshayahu/Isaías 45:17 e 25).

“Porém eu terei misericórdia da Casa de Yehudá (Judá), e Eu [YHWH] os salvarei pela Palavra de YHWH, o seu Elohim.” (Targum Yonatan de Hoshea/Oséias 1:7).

 

Ante todo o exposto e à guisa de conclusão, podem ser compendiados os ensinos nas seguintes proposições:

1) Memra (Palavra), na literatura targúmica, é sinônimo de YHWH;

2) a Palavra criou o Universo e o homem;

3) a Palavra revelou-se a Moshé (Moisés) no monte Sinai;

4) Avraham (Abraão) creu na Palavra;

5) Avraham orava em nome da Palavra;

6) Moshé (Moisés) adorou a Palavra;

7) a Torá foi entregue no Sinai pela Palavra;

8) devem ser obedecidas as palavras da Torá entregues pela Palavra;

9) as alianças foram firmadas com os patriarcas pela Palavra;

10) David tinha fé na Palavra;

11) a salvação do homem depende da Palavra.

Em suma: a) “a Palavra” é sinônimo de YHWH; b) Yeshua é chamado de “a Palavra”; c) logo, Yeshua é YHWH.

Quando Yochanan (João) chamou Yeshua de “a Palavra” (Jo 1:1-14 e Ap 19:13), levou em conta todos os conceitos apresentados, valendo-se de um termo notório para os israelitas do primeiro século. Então, o público-alvo de Yochanan não teve dúvida de que Yeshua é YHWH que se fez carne.

 

Continua...

 

 


[1] Antropomorfismo se refere a situações em que são atribuídas características humanas a YHWH, tais como “a mão de YHWH”, “o braço de YHWH”, “os olhos de YHWH” etc. Com efeito, YHWH não é homem, razão pela qual não possui corpo físico. Daí, os casos de antropomorfismo representam metáforas, uma tentativa de expressar a incognoscibilidade por meio de conceitos humanos.

[2] Dentre os inúmeros livros do rabino, destaca-se a monumental obra “The Great Mystery or How Can Three Be One?”, escrita em 1863.

 

Contato

TSADOK BEN DERECH judaismonazareno@gmail.com